Método dos 6 chapéus de De Bono

Quantas vezes você tentou implementar uma ideia, que era uma solução de um problema, e simplesmente não conseguiu ser implementada por que as resistências e oposições impostas a ela foram enormes?

A dinâmica de grupo que eu vou compartilhar hoje é baseada no livro A técnica dos seis chapéus Edward DE BONO e tem como objetivo eliminar as confusões na hora de pensar, por meio de um método que explora diferentes pontos de vista de uma mesma situação.

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

O coordenador da dinâmica forma pequenos subgrupos de 6 pessoas e entrega para cada um uma fita de cor que representa uma das 6 cores dos chapéus do pensamento.

O branco pensa nos dados e fatos, o preto pensa os pontos negativos, o verde pensa criativamente, o vermelho pensa com o coração, o amarelo pensa os pontos positivos e finalmente o azul faz a mediação.

É dado aos sub grupos um tema e cada componente do subgrupo se comporta como define a cor da sua fita. Para o fechamento forma-se o grande grupo para falar sobre sentimentos e percepções obtidos durante a dinâmica.

CHAPÉU BRANCO – É  neutro e objetivo sem  oferecer interpretações e opiniões. Semelhante a um computador, que seu usuário solicita informações, usa perguntas direcionadas para obter a resposta desejada ou preencher lacunas. Não permite opinião pessoal ou juízo de valores. Utiliza um aspecto de probalidade que varia de “sempre verdadeiro a nunca verdadeiro” e entre eles outros níveis como: por exemplo, de modo geral, as vezes, etc.

CHAPÉU AZUL – Faz o controle e a organização do processo do pensamento, com o uso dos outros chapéus. O pensador do chapéu azul coordena os outros chapéus, define problemas, molda perguntas, estabelece foco, faz resumos, visões gerais e conclusões. Garante que as regras do jogo sejam seguidas reforçando a disciplina.

Favorece a estrutura do mapa quando direciona as seqüências das operações do pensamento.

CHAPÉU PRETO – Aborda aspectos negativos fundamentados logicamente. Trata-se de uma avaliação negativa onde é enfocado o que está errado ou porque a idéia não vai funcionar. Este chapéu faz o pensador mostrar riscos e perigos, apontar erros no procedimento e no próprio método de pensamento. Se baseia nas experiências já conhecidas para projetar uma idéia de futuro. Faz perguntas negativas. É crítico.

CHAPÉU VERMELHO – Dá a visão emocional legitimando as emoções e sentimentos como parte integrante do pensamento. “ O chapéu vermelho torna os sentimentos visíveis para que possam se tornar parte do mapa do pensamento e do sistema de valores que seleciona o caminho a ser seguido no mapa”4. Neste chapéu o pensador não justifica nem fundamenta logicamente seus sentimentos. Lida com todos os tipos de sentimentos, desde emoções, alegrias, medos, desconfianças até palpites, intuições, sensações, que não precisam ser justificados.

CHAPÉU VERDE – É  o pensamento fértil, criativo e das novas idéias .Busca constantemente alternativas, indo além do conhecido, óbvio e satisfatório. Faz pausas para oferecer alternativas sem necessidade de razão para esta pausa. “ O pensador procura avançar de uma idéia para outra até chegar em uma nova idéia”5.  Uma parte importante deste pensamento é a provocação que procura afastar o pensamento dos padrões habituais.

CHAPÉU  AMARELO – É  um pensamento positivo e construtivo, simbolizando a alegria e o otimismo. Trata da avaliação positiva que varia do lógico e prático aos sonhos, visões e esperanças. Avalia e explora o valor e o benefício de uma idéia ou um projeto com apoio lógico. Apresenta um otimismo com bases sólidas sendo construtivo e produtivo. É a base para propostas e sugestões concretas. Seu objetivo é a eficácia sendo especulativo, permite visões e sonhos na busca de oportunidades.

 

Esse texto ajudou você? ou    Pode deixar um comentário?
Lembrou de alguém? Compartilhe o link
Visite também: www.palestraemroda.com.br 

10 comentários para Método dos 6 chapéus de De Bono

  1. Juiany disse:

    promove dinamismo nas relações, essa deve ser a idéia, n´´é?

  2. Amanda disse:

    Bom dia Sergio!
    Qual sua sugestão em relação ao tempo que deve ser disponibilizado para realização da dinâmica?
    É usual sistematizar a sequência “das cores” acima exposta para uma resolução rápida?
    Obrigado!

    • Sergio Naguel disse:

      Olá Amanda;
      O tempo é seu aliado. Quanto mais você puder trabalhar melhor, mas não tem um tempo padrão.
      Você pode fazer como desejar. A sistematização apresentada é uma sugestão. O que importa é que o problema seja analisado segundo as 6 formas/pontos focais.
      Outro exemplo:
      Primeiro todos os participantes com a mesma cor de chapéu. Ai todos trocam para outra cor e assim por diante. Todos usam todas as cores.
      Depois cada um com uma cor de chapéu e em seguida todos pegam o chapéu da pessoa a esquerda e usam para opinar e assim por diante até todos tenham opinado sobre o problema usando todas 6 cores de chapéu.

      Grato pela participação e volte mais vezes.

  3. OSCAR SANTOS disse:

    Este método é bastante concistente, e se aplicado com disciplina pode trazer bons resultados, eu não o conhecia e fiquei muito interessado em aplicá-lo em meus novos projetos.
    Parabéns pela publicação deste conteúdo.

  4. Joyce disse:

    Gostei muito da proposta
    temos uma equipe bem sistêmica e vai ser interessante aplicar esse método
    tem algum critério para auxiliar a separação dos chapéus com relação ao perfil?

    • Sergio Naguel disse:

      Olá Joyce;
      O critério é o sem critério. Permita que sintam e se identifiquem com a sua cor de preferência para depois exercitar a flexibilidade das pessoas em pensarem lateralmente. Vá trocando os chapéus e fazendo com que eles tenham um novo tipo de pensamento. É um ótimo trabalho de desenvolvimento da empatia ( sentir como o outro se sente)
      Grato por sua participação

Deixe uma resposta